De volta para casa...
Buggueiros Profissionais
tópico inserido no site em 12/07/2003
 

Ontem estava lembrando de uma conversa que tive com um grupo de bugueiros profissionais, umas duas semanas passadas...

Foi um papo muito interessante e engraçado, num final de tarde, num barzinho na beira da praia, com piso de areia e muita cerveja gelada...

A vida desses caras não é muito mole como se pensa... mas tem as recompensas: trabalhar na praia fazendo o que se gosta, passear de buggy o dia inteiro, com belas turistas... mesmo trabalhando o dia todo no buggy no sol, ao chegar em casa lavam o buggy, tomam banho e saem novamente com as namoradas, etc. O buggy está para esses caras, como o cavalo para o cowboy.

Mas esses caras penam um bocado, no tocante a aquisição de peças de reposição, combustível, enfim, a parte financeira da coisa. Fazem uma verdadeira ginástica pra dar tudo certo com o pouco dinheiro que lucram. Só tem a compensação da alta temporada. Apesar de existir algumas Associações de Bugueiros, essas não conseguem por exemplo, descontos significativos em peças. Principalmente porque as praias ficam no interior do Estado e as peças chegam a esses locais majoradas em um bocado por cento. Por conta disso, muitos dos buggys fazem pena... um ou outro está em perfeitas condições de uso, existem alguns que só tem freio em uma roda por exemplo!

O combustível colocado é só a conta... muitos chegam a parar no meio dos passeios.

Um fator interessante, é que muitos levam uma garrafa plástica (PET) de 2 litros, com combustível reserva. Esse combustível também é usado no caso de panes com água: o buggy ao atravessar rios e riachos, quando de profundidade exagerada, morre, o bugueiro pega uma estopa embebida nesse combustível e passa na parte interior da tampa do distribuidor... desconecta os cabos de vela um-a-um e mergulha a ponta dentro da garrafa... depois reconecta e é só dar um quarto na chave que o motor funciona redondinho...

Outro ponto que pude observar, é que todos usam uma espécie de almofada, que protege a parte traseira de arranhões... como eles andam sempre com a lotação completa, as pessoas que vão sentadas atrás, usam essas almofadas para conforto próprio e não arranham a pintura com areia... se bem que arranhar pra deles é besteira.

Alguns desses motoristas, levam o porta-mala recheado com óleo bronzeador, filme pra máquina, sonrizal, neosaldina, balas, chicles e até camisinha!?!? Para vender aos turistas. E vendem tudo!

99% não usam capota... usam chapéus de palha.

A grande maioria tem a frente do buggy rebaixada e usam pneus Cooper Cobra, que, apesar de muito caro, tem durabilidade comprovadamente maior que os Dunne.

Outro fator interessante, é que quase todo mundo tem toca CD nas máquinas e o tipo de música predileto é o Aché Music.

Se organizam em filas para pegar os clientes e ninguém se atreve a cortar a frente de ninguém... não há penalidades, só respeito pelo outro.

Cobram R$ 10,00/R$ 15,00 por passageiro e a grande maioria não tem habilitação.

O final de expediente é festa... voltam para casa (alguns casos até 20km do local de trabalho) em verdadeiros comboios, numa média de aproximadamente 30 buggys.

E tem mais: quase todo mundo tem uma história pra contar de casos que aconteceram durante passeios... se alguém, algum dia for passear em um buggy nas praias do nordeste, puxe conversa que dá pra rir um bocado.

Os bugueiros profissionais são pessoas simples, a grande maioria é filho de pescador, que teve a uma infância de dureza, com muito trabalho, muita luta, fome, etc... e que hoje tem um labor de certa forma prazeroso e de status para o local onde vivem... são considerados pela maioria dos nativos como pessoas que conseguiram a realização profissional... são invejados pelos mais moços que sonham em um dia fazer o mesmo trabalho. Posso afirmar, pela impressão que tive, que são felizes! Aliás qual o bugueiro de verdade que não o é?!?!?...

Luizinho
Fyber2000 ´86 - Fortaleza/CE